Author: Cantinho de Luz Fabiano de Cristo
•21:33



Na lista do facebook, onde compartilhamos diversos assuntos sobre o nosso Cantinho de Luz, surgiu a ideia de compartilharmos também o Evangelho Segundo o Espiritismo. Depois de exposta esta ideia, combinamos que a primeira pessoa que resolvesse participar, abriria o evangelho em casa, e deixaria as indicações por lá, para que nós aqui pudéssemos discutir a respeito, através dos comentários.


Quem abriu o evangelho desta vez, foi a Teresa Romero, e o trecho lido por ela está logo abaixo. Vamos ler juntos, e tecer nossos comentários, lembrando que quanto mais dúvidas, perguntas, ou experiência tivermos, mais engrandecedor será este momento. Todo e qualquer comentário é importante para aprendermos um pouco mais sobre a vida de Jesus Cristo, e como podemos andar no caminho que ele nos indica.


Vamos ler.


O Evangelho Segundo o Espiritismo - Alan Kardec
Cap. 12 (itens de 1 a 4)


Amar os vossos inimigos


1. Aprendestes que foi dito: “Amareis o vosso próximo e odiareis os vossos 
inimigos.” Eu, porém, vos digo: “Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos. - Porque, se só amardes os que vos amam, qual será a vossa recompensa? Não procedem assim também os publicanos? Se apenas os vossos irmãos 
saudardes, que é o que com isso fazeis mais do que os outros? Não fazem outro tanto os pagãos?” (S. MATEUS, cap. V, vv. 43 a 47.) 

- “Digo-vos que, se a vossa justiça não for mais abundante que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no reino dos céus.”(S. MATEUS, cap. V, v. 20.) 

2. “Se somente amardes os que vos amam, que mérito se vos reconhecerá, uma vez que as pessoas de má vida também amam os que os amam? - Se o bem somente o fizerdes aos que vo-lo fazem, que mérito se vos reconhecerá, dado que o mesmo faz a gente de má vida? - Se só emprestardes àqueles de quem possais esperar o mesmo favor, que mérito se vos reconhecerá, quando as pessoas de má vida se entreajudam dessa maneira, para auferir a mesma vantagem? Pelo que vos toca, amai os vossos inimigos, fazei bem a todos e auxiliai sem esperar coisa alguma. 
Então, muito grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, que é bom para os ingratos e até para os maus. - Sede, pois, cheios de misericórdia, como cheio de misericórdia é o vosso Deus.” (S. LUCAS, cap. VI, vv. 32 a 36.) 

3. Se o amor do próximo constitui o princípio da caridade, amar os inimigos é a mais sublime aplicação desse princípio, porquanto a posse de tal virtude representa uma das maiores vitórias alcançadas contra o egoísmo e o orgulho. 
Entretanto, há geralmente equívoco no tocante ao sentido da palavra amar, neste passo. Não pretendeu Jesus, assim falando, que cada um de nós tenha para com o seu inimigo a ternura que dispensa a um irmão ou amigo. A ternura pressupõe confiança; ora, ninguém pode depositar confiança numa pessoa, sabendo que esta lhe quer mal; ninguém pode ter para com ela expansões de amizade, sabendo-a capaz de abusar dessa atitude. Entre pessoas que desconfiam umas das outras, não pode haver essas manifestações de simpatia que existem entre as que comungam nas mesmas idéias. Enfim, ninguém pode sentir, em estar com um inimigo, prazer igual ao que sente na companhia de um amigo. 

A diversidade na maneira de sentir, nessas duas circunstâncias diferentes, resulta mesmo de uma lei física: a da assimilação e da repulsão dos fluidos. O pensamento malévolo determina uma corrente fluídica que impressiona penosamente. O pensamento benévolo nos envolve num agradável eflúvio. Daí a diferença das sensações que se experimenta à aproximação de um amigo ou de um inimigo. Amar os inimigos não pode, pois, significar que não se deva estabelecer diferença alguma entre eles e os amigos. Se este preceito parece de difícil prática, impossível mesmo, é apenas por entender-se falsamente que ele manda se dê no coração, assim ao amigo, como ao inimigo, o mesmo lugar. Uma vez que a pobreza da linguagem humana obriga a que nos sirvamos do mesmo termo para exprimir matizes diversos de um sentimento, à razão cabe estabelecer as diferenças, conforme aos casos. 

Amar os inimigos não é, portanto, ter-lhes uma afeição que não está na natureza, visto que o contacto de um inimigo nos faz bater o coração de modo muito diverso do seu bater, ao contacto de um amigo. Amar os Inimigos é não lhes guardar ódio, nem rancor, nem desejos de vingança; é perdoar-lhes, sem pensamento oculto e sem condições, o mal que nos causem; é não opor nenhum obstáculo a reconciliação com eles; é desejar-lhes o bem e não o mal; é experimentar júbilo, em vez de pesar, com o bem que lhes advenha; é socorrê-los, em se apresentando ocasião; é abster-se, quer por palavras, quer por atos, de tudo o que os possa prejudicar; é, finalmente, retribuir-lhes sempre o mal com o bem, sem a intenção de os humilhar. Quem assim procede preenche as condições do mandamento: Amai os vossos inimigos. 

4. Amar os inimigos é, para o incrédulo, um contra-senso. Aquele para quem a vida presente é tudo, vê no seu inimigo um ser nocivo, que lhe perturba o repouso e do qual unicamente a morte. pensa ele, o pode livrar. Daí, o desejo de vingar-se. Nenhum interesse tem em perdoar, senão para satisfazer o seu orgulho perante o mundo. Em certos casos, perdoar-lhe parece mesmo uma fraqueza indigna de si. Se não se vingar, nem por isso deixará de conservar rancor e secreto desejo de mal para o outro.  

Para o crente e, sobretudo, para o espírita, muito diversa é a maneira de ver, porque suas vistas se lançam sobre o passado e sobre o futuro, entre os quais a vida atual não passa de um simples ponto. Sabe ele que, pela mesma destinação da Terra, deve esperar topar aí com homens maus e perversos; que as maldades com que se defronta fazem parte das provas que lhe cumpre suportar e o elevado ponto de vista em que se coloca lhe torna menos amargas as vicissitudes, quer advenham dos homens, quer das coisas. Se não se queixa das provas, tampouco deve queixar-se dos que lhe servem de instrumento.



Se, em vez de se queixar, agradece a Deus o experimentá-lo, deve também agradecer a mão 
que lhe dá ensejo de demonstrar a sua paciência e a sua resignação. Esta ideia o dispõe 
naturalmente ao perdão. Sente, além disso, que quanto mais generoso for. tanto mais se 
engrandece aos seus próprios olhos e se põe fora do alcance dos dardos do seu inimigo. 


O homem que no mundo ocupa elevada posição não se julga ofendido com os insultos 
daquele a quem considera seu inferior. O mesmo se dá com o que, no mundo moral, se eleva 
acima da humanidade material. Este compreende que o ódio e o rancor o aviltariam e 
rebaixariam. Ora, para ser superior ao seu adversário, preciso é que tenha a alma maior, mais 
nobre, mais generosa do que a desse último.




This entry was posted on 21:33 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

6 comentários:

On 11 de junho de 2011 05:09 , Érico Percy disse...

É um texto de muita força do Evangelho. Mostra exatamente como devem agir as pessoas que já alcançaram certo grau evolutivo. Na realidade quanto mais se sobe, com mais detalhes se consegue ver tudo que está abaixo, tendo uma idéia do todo. Quando Cristo fala "amai vossos inimigos", acredito que ele fala entende todo o processo, pois não existem inocentes, mas apenas crianças espirituais que não entendem a dinâmica da lei de afinidades. Todas as vezes que esquecemos, ou melhor ignoramos, algo de ruim que nos fizeram, poderemos estar quebrando uma cadeia milenas de maldades que temos com determinado irmão, e assim ficamos mais purificados.

 
On 11 de junho de 2011 13:37 , Teresa Romero disse...

Devemos entender que todos precisam de compreensão. Saber perdoar nossos inimigos, não desejar-lhes nenhum mal, ajudá-los sempre que preciso... Que Deus nos dê a glória de saber perdoar! Ato mais nobre que este não existe!

 
On 14 de junho de 2011 11:12 , Fernanda Tamyris disse...

Um trecho muito importante e com o qual todos nós deveriamos refletir. Se perdoassemos mais as pessoas e entendessemos sobre a diferença de evolução espiritual presente em cada uma, seria mais fácil compreender o que as vezes é tão dificil de aceitar e seria ainda mais fácil as relações entre todos! O perdão é realmente um passo muito grande na busca por a evolução do espirito! E acredito que não existe uma lição maior para alguem que lhe fez mal do que você retribuir o que ela lhe fez com o BEM!

 
On 22 de junho de 2011 20:28 , Tania Samara Lemos disse...

Concordo com parte do que o Érico comentou, mas ao mesmo tempo eu não sei se ao esquecermos ou ignorar, vamos estar quebrando esta cadeia de maldades. Principalmente porque em divergências comuns do dia-a-dia, se você ignora alguma coisa é provável que alguém fique ainda mais magoado com vc, pelo fato de vc simplesmente não ter dado importância a algo que deveria ter seu valor.

Quando é que nós vamos aprender a dizer para as pessoas que elas estão nos magoando, de um jeito que toque o coração delas, e as façam perceber que estão trilhando um caminho que não deveriam?

Quando é que as pessoas vão começar a respeitar a gente, independente de qualquer coisa?

Quando é que nós vamos ser ouvidos?

Opa... peraí... Mas eu já tô escutando aqueles que estão por aí sinalizando o quanto eu estou magoando cada um deles?

Será que eu já deixo meu coração ser tocado?

Eu amo?

Como eu posso ter certeza de que eu amo o próximo?

Como eu posso amar alguém que eu nem conheço???

...né????


Como?


Vivamos as perguntas. Mergulhemos em cada uma delas, e procuremos todas as respostas.

Um dia a gente encontra. E neste dia, a gente se encontra.

 
On 9 de janeiro de 2013 15:59 , Se Alencar disse...

Prezados.
Isso não é um SPAM, nem Fraude nem corrente - é um apelo real de uma mãe desesperada
Não peço por mim, mas por uma mãe desesperada.
Ajudando a divulgar por um exercício de cidadania e compaixão.
Obrigada pela atenção
Semíramis
Quando um coração de mãe pede, não devemos dizer não....
Meu nome é Luciana, e meu esposo é o Aziz, estou escrevendo pois estamos passando por
um momento muito dificil e precisando muito de ajuda.
Minha filha Gabriela nasceu com uma rara doença chamada Sandhoff,
é uma doença degenerativa e fatal... estamos lutando muito meu amigo para tentar salvar a vida
dela.... encontramos um tratamento que pode salvá-la em Lima Peru, é com células tronco e uma
terapia genica e nao tem no Brasil, é a única chance que minha filha, que hoje esta com 4 anos
e 9 meses, tem... Ja levamos a Gabi para esse tratamento e ela esta respondendo, não podemos
desistir!! Qual a mãe que desiste de um filho? nuncaaaa!! Porem o tratamento é muito caro,
25 mil dolares e tem as despesas com passagens, materiais, equipamentos, enfermeira que
preciso levar, tudo fica em torno de 65 mil reais, é muito alto o valor, e o tratamento esta
marcado para fevereiro agora ... de 2013.. Ja consegui depois de muita divulgação na imprensa
aqui de Teresina 25 mil reais, mais ainda falta muito, estou vendendo rifa, e tem um humorista
que ira fazer um show, espero chegar a 40 mil ... mas ainda faltara muito para completar o valor..
Peço humildemente, que se puder nos ajude, ajude minha filha continuar lutando para viver!
Sei que preciso de um milagre, e que tudo esta nas mãos do nosso bondoso Pai...
mas acredito muito que Deus pode sim mudar tudo, que Ele pode usar esses
médicos em favor da Gabi, e a ajudando abrir portas para ajudar outras crianças que sofrem
dessas doenças tão crueis... Peço mesmo pela misericordia DIVINA!
Se vocês puderem me ajudar compartilhando esse e-mail com seus amigos, nos centros espiritas
e pedindo pela Gabi, agradeço imensamente e rogo a Deus que toque o coração das pessoas ...
que ajudem minha filhinha!
Tenho um blog http://www.unidaspelavida.com lá tem todas as reportagens e matérias e tudo que disse
é verdade infelizmente...
Tenho facebook tb, Luciana Pallin, e adiciono a todos e respondo o que tiverem duvida....
Minha filha não fala, não anda, não come pela boca, ela tem uma sonda direto no estomago,
mas ela tem uma FORÇA INCRÍVEL, e quer VIVER! Ela luta muito..., nós sabemos que há um
espírito muito iluminado no corpo fragil da minha filha... e que nos ensina a cada dia com sua
força, com sua resignação, com sua pureza.
Agradeço demais tudo que puderem fazer por ela, de coração !
Fica com a Paz de DEUS ! E que Deus ilumine todos os seus passos, e te proteja onde vocês forem!
Luciana e GABI
www.unidaspelavida.com
http://www.facebook.com/luciana.pallin

Unidas pela Vida!
www.unidaspelavida.com
Solidariedade é o amor em movimento. Nos ajudem a continuar rumo à cura!

 
On 31 de março de 2013 03:15 , Anônimo disse...

Meu pai é alcoolatra. E me ama desesperadamente. Mesmo bêbado, nunca maltratou fisicamente nem a mim, nem a minha mãe. No entanto eu sinto repugnância quando ele chega perto de mim. Desejo que ele se afaste quando esta bêbado e quer me beijar. Desejo que ele finja que não me conhece quando está desse jeito, que ele me esqueça. Eu e minha mãe sofremos muito por ele pois agora quando ele bebe fica ordenando que bichos se afastem dele, fica gritando pela casa como um louco. Minha mãe não se divorcia por pena, pois ele nunca teve família, não tem emprego e ficaria abandonado se isso acontecesse. Estou me desesperando, sem saber o que fazer. Não sei como agir, não sei pelo quê rezar. Ultimamente ignoro ele e a situação. Só falo o indispensável e todos os dias quando ele sai pra beber eu saio de casa e só volto á noite pra não ficar perto dele. Minha mãe é uma fortaleza. Sempre serena, costuma aguentar calada, mas perde a paciência e a felicidade dela já foi embora a muito tempo. Nessa vida, vou conseguir ter a minha mãe plenamente feliz, ou essa sombra ainda vai nos perseguir nas próximas vidas? Vejo a casa de uma amiga, onde o pai não bebe, e não só por isso claro, mas, magicamente absolutamente tudo dá certo pra sua familia. É uma casa de paz. Na minha casa não recebemos nem visitas. Ninguém vem nos visitar, e eu tenho vergonha quando alguem vem aqui. O que devo pedir nas minhas orações?